Conheça Seu Principal Inimigo no Emagrecimento!

Emagrece Antes e Depois

  Você já ouviu falar em insensibilidade à leptina? Pois bem, esse é um assunto um tanto complexo, mas que tem grande importância para quem decide emagrecer de vez e quer obter sucesso com essa meta. Por tanto, sem mais delongas, entenda o que é a insensibilidade à leptina.

Mas o que é “leptina”?

ciclo-leptina  A leptina é um hormônio que é produzido pelas células gordurosas encontradas no tecido adiposo. Sua função é controlar o metabolismo e regular a fome, ou seja, a leptina funciona no corpo medindo seus níveis de energia para então definir quanta energia poderá ser gasta em cada atividade do seu dia-a-dia e quanta gordura pode ser queimada. Só aí já é possível compreender o tamanho da importância que a leptina tem para quem deseja acabar com as gordurinhas.

Como a leptina age no organismo?

  Nas células do tecido adiposo é produzida a leptina que passa a circular pelo organismo através do sangue até cruzar uma barreira chamada barreira hematoencefálica* – que também é chamada de barreira sangue/cérebro.

*A barreira hematoencefálica (BHE) é uma estrutura permeável e extremamente seletiva que tem a função de proteger o sistema nervoso central de substâncias neurotóxicas que estão no sangue. A barreira hematoencefálica é de suma importância para manter o metabolismo do cérebro funcionando normalmente.

  Quando a leptina ultrapassa a barreira hematoencefálica, ela cria uma comunicação dos adipócitos (as células de gordura que produziram a leptina) com os receptores de leptina no hipotálamo – parte do cérebro que é responsável por regular os processos metabólicos do corpo, como a temperatura, a fome, a sede e a queima de calorias. Lá no hipotálamo, a leptina passa a informação de que o corpo já está suficientemente energizado. Ao receber essa informação, o hipotálamo transmite ao cérebro a mensagem de que o metabolismo do corpo deve acelerar para queimar a gordura e que é preciso diminuir o apetite – pois o estoque de gordura já está cheio.

  Claro que a leptina não é recebida unicamente pelo hipotálamo, existem receptores de leptina em diversas partes do organismo, é por isso que a leptina um hormônio é globalmente responsável pelo metabolismo, pelo apetite e pelo gasto energético. Em resumo, a leptina está estreitamente ligada ao emagrecimento.





  Assim como a leptina pode comunicar ao hipotálamo que o estoque de gordura já está cheio, ela também pode passar ao hipotálamo a informação de que o estoque de gordura está muito baixo se você não estiver consumindo calorias o suficiente. Isso fará com que o metabolismo desacelere para diminuir o gasto de energia e haja um aumento do apetite para estimular você a comer mais e aumentar o estoque de gordura. Mas essa ainda é a forma correta da leptina agir no organismo

  Mas quando o corpo começa a acumular mais e mais gordura no estoque durante o ganho de peso, mais os adipócitos produzem esse hormônio que vai sendo liberado na corrente sanguínea. Quando finalmente os níveis de leptina ficam muito altos por um longo tempo, o organismo começa a desenvolver a insensibilidade à leptina.

E o que acontece quando o organismo desenvolve a insensibilidade à leptina?

  A leptina continua chegando aos seus receptores, mas ela já não consegue emitir a mensagem de que o estoque de gordura está cheio. Oleptina-fome hipotálamo, por sua vez, continuará mandando ao cérebro a mensagem de que é preciso economizar energia, desacelerar o metabolismo e aumentar o apetite para elevar o estoque de gordura. A insensibilidade à leptina pode ser compreendida como uma grande falha de comunicação dentro do organismo.

  A insensibilidade à leptina é um dos grandes responsáveis pelos casos de obesidade mórbida, pois quem desenvolve a resistência a esse hormônio acaba por perder completamente o controle sobre o apetite, gerando uma compulsão alimentar. Além de ingerir muitas calorias, o organismo ainda tenta economizar na hora de queimar essas calorias, o que leva a pessoa a ganhar cada vez mais e mais peso.

  Além da obesidade, outros problemas de saúde ainda podem ser acarretados a partir da insensibilidade à leptina – principalmente em mulheres -, como problemas de fertilidade e de má formação do embrião na gestação. É importante ainda ressaltar que a obesidade é um problema que vem acompanhado de mais uma série de outras dificuldades como o aumento dos níveis de colesterol, diabetes, surgimento de doenças cardiovasculares, pré-disposição para o desenvolvimento de trombose venosa e até mesmo o risco de alguns tipos de câncer.

10-sucos-detox-exterminadores-gordura  Claro que, existe um fator chamado individualidade biológica, ou seja, cada organismo funciona de uma maneira diferente. Algumas pessoas são mais geneticamente propensas ao acúmulo de gordura do que outras pessoas. Mas as chances de desenvolver insensibilidade à leptina podem ser facilmente contornadas apenas com algumas mudanças de hábitos.

  Cuidar com os excessos na alimentação – principalmente quando os alimentos são gordurosos ou muito ricos em carboidratos – é a mais eficiente maneira de prevenir esse enorme problema que a insensibilidade à leptina é capaz de ser.

  Gostou? Então espero pelo seu comentário!

2 Comentários

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*